Queimados tem 123 vagas para quem necessita de tratamento de hemodiálise - Jornal Destaque Baixada

DESTAQUE

Home Top Ad




Post Top Ad

Queimados tem 123 vagas para quem necessita de tratamento de hemodiálise


Existem 123 vagas abertas para pacientes com doença crônica renal nas clínicas habilitadas pelo SUS na cidade

Pacientes com doença crônica renal não precisam esperar para fazer hemodiálise e diálise, em Queimados, na Baixada Fluminense. Nas duas clínicas habilitadas pelo Sistema Único de Saúde para este fim na cidade – o Instituto Nefrológico de Queimados (INQUE) e o Centro Nefrológico de Queimados (NEFRO) - existem 123 vagas disponíveis (a capacidade total de atendimento é de 400 pacientes). Em uma unidade particular, cada sessão dos procedimentos custa entre R$400 e R$600.

Ao todo, 277 pessoas realizam o tratamento nas unidades. Para o Prefeito Carlos Vilela, é muito gratificante oferecer esse tipo de serviço não só aos moradores de Queimados, como também a pessoas de outros municípios. “Além do tratamento, oferecemos aos nossos moradores o transporte gratuito para realizar o procedimento, possibilitando que os munícipes cuidem da saúde de forma digna, com serviços de qualidade próximos de casa”, declarou.

Além de Queimados, as clínicas atendem moradores de Nova Iguaçu, Mesquita, Seropédica, Itaguaí, Japeri e adjacências, basta que os procedimentos sejam regulados pelo sistema estadual, por meio das Secretarias de Saúde de cada município.

A doença renal crônica é caracterizada pela perda lenta e progressiva da função renal. Entre as principais causas estão: diabetes e hipertensão. Os níveis elevados de pressão arterial causam um estreitamento dos vasos dos rins e destroem progressivamente os néfrons (espécie de filtros nos rins) por falta de irrigação.

De acordo com a Secretária Municipal de Saúde, Drª. Lívia Guedes, o tratamento é indicado para pacientes com insuficiência renal aguda ou crônica grave. “A hemodiálise é um processo de filtragem e depuração do sangue. Trata-se de uma terapia renal substitutiva”, explicou.

Um sopro de esperança

Na fila para receber um transplante de rim, a moradora de Nova Iguaçu, Soraia de Oliveira (43), faz tratamento de hemodiálise há um ano e meio no Instituto Nefrológico de Queimados. “Eu comecei perdendo o paladar, tendo o corpo inchado, com um gosto estranho na boca e sem conseguir fechar as mãos. Hoje, eu me sinto bem melhor, mas o maior problema é que eu não posso mais tomar nenhum líquido”, contou a paciente, que se submete três vezes por semana ao processo de filtragem do sangue.

Já o morador do bairro Belmonte, Arlindo do Nascimento (49), disse que os seus primeiros sintomas foram indisposição e dificuldade para urinar. “É muito bom saber que temos um local perto de casa para realizar o tratamento, pois temos que vir várias vezes na semana para fazer a filtragem e após o procedimento, sentimos um pouco de mal-estar”, declarou ele, que também espera por um transplante de rim.

Para receber o tratamento em uma das unidades no município, é preciso comparecer no setor de regulação (Rua Onze, s/nº, Vila Pacaembu), de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, com identidade, CPF, cartão do SUS, comprovante de residência e encaminhamento médico. O órgão atende também pelo telefone 2665-6544.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, informe nossa equipe jornaldestaquebaixada@gmail.com

Post Bottom Ad

Pages