Bancada do PSL repudia prefeito Eduardo Paes e restrições no Rio - Jornal Destaque Baixada

DESTAQUE

PUBLICIDADE

quinta-feira, março 04, 2021

Bancada do PSL repudia prefeito Eduardo Paes e restrições no Rio



Líder da bancada do PSL na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (PSL), o deputado Charlles Batista apresentou moção de repúdio ao prefeito Eduardo Paes pelo decreto com medidas restritivas ao comércio e circulação de pessoas que começarão a vigorar na cidade do Rio nesta sexta-feira (5).

Charlles afirma que por motivos “iminentemente políticos”, comerciantes e trabalhadores estão sendo penalizados. O deputado considera que apesar de o momento difícil, o Rio de Janeiro tem apresentado dados satisfatórios no que se refere à contaminação e infecção do coronavírus, em comparação a outros estados.

“Essa pauta deve ser tratada com seriedade, como tem feito o governo federal. Impedir que comerciantes e trabalhadores exerçam seu ofício é propagar a fome, a destruição e a miséria na cidade do Rio de Janeiro, além de não ser a medida eficaz para o combate à covid-19. Qualquer trabalho que provêm o pão de cada dia é essencial”, escreve Charlles Batista na moção de repúdio.

Já Anderson Moraes protocolou, nesta quinta-feira (04/03), projeto de lei para proibir o "toque de recolher" como medida de enfrentamento à pandemia. A proposta, que ainda será votada pela Alerj, estabelece que qualquer ato que imponha restrição de circulação de pessoas tenha respaldo de recomendação técnica da Anvisa.

"Não respeitar os direitos constitucionais é um absurdo. Uma coisa é reforçar o cuidados para evitar o contágio do vírus, outra é restringir o ir e vir do cidadão. O prefeito deveria estar mais preocupado em acabar com a aglomeração do BRT. Não podemos permitir que o estado adote medidas como esta, que também vão prejudicar ainda mais comerciantes", critica Moraes.

Através das redes sociais, outros deputados também se manifestam contra as proibições na cidade do Rio. “É inadmissível cercear o direito de ir e vir dos cidadãos de bem, de trabalhadores e comerciantes. O lockdown mata muito mais que a pandemia. A fome e a falta de recursos geram consequências gravíssimas. Além disso, também comprovamos lá na primeira onda que há uma série de interesses pessoais de grupos criminosos para que se estabeleça o caos e os cofres públicos sejam saqueados. Nós acabamos de ver esse filme, as operações sequer terminaram, o chefe da quadrilha ainda nem está preso e já aceitaremos tudo de novo”, alerta Filippe Poubel.

A também bolsonarista Alana Passos alerta para a importância de reforçar a rede de saúde, ao invés de privar a população de direitos. “O que precisamos é voltar com os hospitais de campanha do município e do Estado. O povo precisa trabalhar, não aguenta mais ter que ficar trancado em casa! Sou totalmente contra o lockdown”, diz a deputada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, informe nossa equipe 21 97629-7675


Pages