Cidades da Baixada continuam sendo a maior taxa de contaminação no Rio - Jornal Destaque Baixada

DESTAQUE

PUBLICIDADE

03/07/2020

Cidades da Baixada continuam sendo a maior taxa de contaminação no Rio


Em novo estudo, realizado com dados até esta quinta-feira, 02/07, o “Dados do Bem”, ferramenta de monitoramento epidemiológico da Covid-19 liderada pelo Instituto D'Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) e pela Zoox Smart Data, analisou as informações coletadas nos cinco ponto de operação no Rio de Janeiro, que inclui Campos dos Goytacazes, Duque de Caxias, Macaé, Niterói e Nova Iguaçu. Pela segunda semana seguida, o material aponta que os bairros e municípios da Baixada Fluminense continuam sendo os locais com maior percentual de positivos entre as pessoas que foram testadas dentro da plataforma “Dados do Bem”.

O bairro Tomazinho (São João de Meriti) lidera a lista com 62,50% de positividade entre as pessoas que realizaram o teste. Lote XV (Belford Roxo) - 58,82%; Mangueira (Zona Central) – 58,33%; Periquitos (Duque de Caxias) - 57,89%; Barros Filho (Zona Norte) – 51,06%; Nova Piam (Belford Roxo) – 50%; Engenheiro Leal (Zona Norte) – 45,45%; Jardim Sumaré – 43,48%; Santa Crus da Serra (Duque de Caxias) – 42,86% e Centro de Olinda (Nilópolis) – 41,67% completam a lista das áreas com mais pessoas contaminadas dentre aquelas que realizaram o exame.

Já quando as informações são referentes os municípios fluminenses, Queimados é o primeiro na lista com 31,58% das pessoas que foram testadas e receberam resultado positivo. Belford Roxo (31,06%), Duque de Caxias (27,68), São João de Meriti (26,27%), Nilópolis (24,18%), Magé (24,14%), São Gonçalo (22,54%), Itaguaí (18,75%) e Mesquita (18,35%) também estão no ranking das 10 áreas com mais resultados positivos para o vírus.

“Desde o começo do projeto o foco é a análise de dados para entender a disseminação do vírus, formas de contágio e formação de clusters. O que temos visto, principalmente nas duas últimas semanas, é o avanço da doença para bairros e municípios da Baixada fluminense. As regiões se alternam na lista que mostra os locais com maiores porcentagens de infectados, mas a maioria delas permanece nesse ranking. Além da Baixada, alguns bairros da Zona Norte como Engenheiro Leal e Barros Filho também continuam aparecendo entre os lugares com maios indivíduos com a Covid-19”, afirma Fernando Bozza, coordenador do projeto, médico e pesquisador do IDOR e da Fiocruz, responsável pelo algoritmo e análise dos dados.

“Dados do Bem” está em operação no Rio de Janeiro desde o dia 28 de abril e já conta com mais 428 mil downloads, dos quais 308.953 pessoas fizeram a autoavaliação respondendo perguntas sobre sintomas associados à Covid-19 e histórico de saúde. De todas que preencheram o questionário, 48.963 foram testadas até a data de corte do estudo, início desta quinta-feira, dia 2/07, e, dessas, 14% (6.830) receberam o resultado positivo para o coronavírus. Essas informações já estão disponíveis em tempo real no próprio aplicativo.

Niterói foi a primeira cidade fora da capital carioca a usar o “Dados do Bem” e, desde o começo da operação, no dia 3/06, mais de 14 mil testes foram realizados nos três pontos dedicados ao projeto e mais de 45 mil pessoas fizeram o download do aplicativo. Na sequência, Campos dos Goytacazes, no norte-fluminense, também fechou parceria com a iniciativa e disponibilizou o aplicativo na cidade no dia 18/06. Desde então foram realizados 686 testes e 11.058 downloads.

O projeto também está em Duque de Caxias e desde 10/06 já fez 859 testes e tem 8.022 pessoas baixaram o aplicativo. “Dados do Bem” chegou a Macaé em 25/06 e já realizou 196 testes e conta com 1.986 downloads. Cidade mais recente a fechar parceria com a iniciativa, Nova Iguaçu começou sua operação no dia 26/06 e já conta com 513 exames realizados e mais de 8 mil moradores já têm o aplicativo em seus celulares.

Importante ressaltar que o “Dados do Bem” não realiza testagem em massa. A iniciativa integra os dados de risco identificados pela autoavaliação e os resultados de testes sorológicos rápidos aplicados em amostras desta população para realizar análises que permitam entender a disseminação do vírus da área avaliada, fornecendo informações para o combate à epidemia pelo poder público.

O ponto de partida do “Dados do Bem” é um aplicativo gratuito disponível para Android e iOS. Nele, o usuário preenche um cadastro e responde a um simples questionário de autoavaliação, com perguntas sobre sintomas associados à Covid-19 e histórico de saúde. Uma amostragem das pessoas cujas respostas ao questionário apontarem para uma alta probabilidade de Covid—19 poderá ser chamada para a realização de testes imunosorológicos.

Sobre a iniciativa DADOS DO BEM

Desenvolvido pelo Instituto D´Or de Pesquisa e Ensino em parceria com a Zoox Smart Data, DADOS DO BEM (www.dadosdobem.com.br) é um projeto de monitoramento epidemiológico que reúne tecnologia de geolocalização e metodologia para acompanhamento, em tempo real, da evolução da epidemia do coronavírus nos centros urbanos. Criado por pesquisadores, infectologistas e equipe de inteligência, a ferramenta, cedida gratuitamente à população e ao Poder Público, fornece um mapa de distribuição do vírus e dados estratégicos sobre a Covid-19 para tomadas de decisão das autoridades. DADOS DO BEM faz parte de uma série de iniciativas de pesquisa do Instituto D´Or, “Ciência IDOR Contra a COVID”, que ainda inclui outras nove frentes de estudo.

Sobre o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino

Fundado em 2010, o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) é uma organização sem fins lucrativos, que tem por objetivo promover o avanço científico, qualificação, disseminação do saber e a inovação na área de saúde.

O IDOR vem desenvolvendo pesquisas de fronteira voltadas tanto para ciência aplicada, ou seja, com impacto clínico direto a curto prazo, quanto para a ciência fundamental, que busca o conhecimento mais profundo sobre os mecanismos biológicos, fisiológicos e patológicos.

A importância de aproximar a ciência básica da clínica foi evidenciada nas pesquisas envolvendo o vírus Zika, nas quais os pesquisadores do IDOR desempenharam um papel fundamental na comprovação da relação entre o vírus e a microcefalia. Os resultados tiveram grande alcance internacional e foram publicados na Science, uma das mais conceituadas revistas científicas da atualidade.

Sobre a Zoox Smart Data

Fundada em 2010 e presente em seis países, a Zoox Smart Data é uma empresa de tecnologia na aplicação de soluções integradas de Analytics, Big Data e Geo Localização que interage, captura, enriquece e entende o comportamento de pessoas, respeitando a privacidade, em espaços físicos, gerando inteligência sobre os dados coletados.


Cidades da Baixada pela segunda semana, continuam sendo a maior taxa de contaminação no Rio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, informe nossa equipe 21 97629-7675

cel

Post Bottom Ad

Pages